Relato sobre o Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu por Paul Wollos

Tradução – Jaqueline Sá Freire (Brazil Aikikai – Hikari Dojo – Rio de Janeiro)

Yukiyoshi Sagawa Sensei e seu sistema Daito-ryu sempre foram encobertos por obscuridade. Mesmo atualmente, existem muito poucas informações em Inglês. Espero que os leitores do Aikido Journal aproveitem este relato sobre minhas experiências com este impressionante sistema de Daito-ryu. Este artigo foi escrito com a permissão do Sr. Tatsuo Kimura, 10º. Gen Shihan do Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu.

 

Yukiyoshi Sagawa (1902-1998)

Pesquisa pessoal

Minha paixão pelas artes marciais, e especialmente pelo Daito-ryu, começou em 1981. Depois disso, eu fiquei fascinado pela arte do Daito-ryu, e pesquisei os aspectos técnicos e históricos de vários ramos do Daito-ryu. Eu estava buscando por algo misterioso, mas sempre havia uma forma lógica para explicar as técnicas.

Desde 1995 o foco de minha curiosidade foi uma escola em particular: o Daito-ryu Sagawa Dojo. Mas as informações sobre esta escola eram muito raras, e minhas pesquisas foram bastante difíceis, se não impossíveis. Tudo o que pude descobrir sobre Yukiyoshi Sagawa Sohan (“Sohan,” um titulo de Sagawa Sensei em sua arte do Daito-ryu Aikibujutsu) estava no livro de Stanley Pranin intitulado Conversas com mestres de Daito-ryu. Apesar de ser claro que Sagawa Sensei não aceitava alunos estrangeiros, eu decidi escrever uma carta a ele. Eu queria ser aceito para treinar com Sagawa Sohan. Por vários anos eu mandei muitas cartas ao Sagawa Dojo, com apenas uma resposta.

“Sentimos muito, mas seu pedido não pode ser atendido…” Sagawa Sensei faleceu, mas eu continuei tentando obter o máximo de informações o Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu. Eu pesquisei na Internet, inclusive em sites japoneses, aonde encontrei pedaços de informação. Gradualmente, mais e mais pessoas souberam sobre meu interesse sobre o Sagawa Dojo e o Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu. Naquela época, eu pensava que, como eu já tinha algumas habilidades básicas, eu podia aprender o Sagawa-ha Daito-ryu e “promovê-lo” fora do Japão. Logo eu descobri que minha forma de pensar era estúpida. Meu pedido foi rejeitado novamente, mas eu não podia desistir de minhas aspirações.

O primeiro contato

 

Tatsuo Kimura Sensei

O acesso ao Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu não é restringido apenas em relação aos estrangeiros. Mesmo os Japoneses nativos devem fazer um requerimento por escrito ao Sagawa Dojo, e seus requerimentos frequentemente são rejeitados.

Meu primeiro passo foi dado quando fiz contato com o professor Tatsuo Kimura, que possui o mais alto nível técnico em Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu. Eu recebi permissão para participar de uma aula “experimental” em seu dojo na Universidade Tsukuba. Eu parti para o Japão imediatamente.

O primeiro encontro

Kimura Sensei parece ser um homem comum. Na verdade, ele parece bem mais jovem do que realmente é (53 anos). Ele certamente não parece ser alguém que possui habilidades marciais assustadoras. Olhando o Prof. Kimura ou as fotografias de Sagawa Sensei, nada indica que eles poderiam ter alguma capacidade ou habilidade extraordinária. Kimura Sensei está sempre sorrindo, brincando, e parece estar constantemente feliz.

Kimura Sensei era 3o dan em kendo e 5o dan em aikido quando conheceu Sagawa Sensei. Após ter experimentado o “aiki”, o Sr. Kimura imediatamente pediu para ser aluno de Sagawa Sensei, mas foi rejeitado. Sagawa Sensei lhe disse que ele provavelmente apenas “roubaria” algumas técnicas para melhorar seu aikido. O Sr. Kimura foi forçado a esperar. Ele persistiu, escreveu cartas, e finalmente teve permissão de treinar no Sagawa Dojo, mas com uma condição. Sagawa Sohan não lhe ensinaria nada pessoalmente! Parece que passou muito tempo antes que Sagawa Sensei se decidisse que o Sr. Kimura era merecedor de receber instruções diretas. Não apenas o sonho de Kimura Sensei se tornou realidade, mas ele também recebeu uma recompensa muito maior, pois lhe foi ensinado todo o sistema, incluindo os “segredos internos” desta arte.

Kimura Sensei me disse que sua primeira inspiração sobre o aiki veio em 14 de Setembro de 1997(domingo). Tres dias depois, Sagawa Sohan ficou doente. Ele faleceu em 24 de março de 1998.

Mas um dia antes de sua morte, Sagawa Sohan arremessou o Sr. Kimura com aiki continuamente por uns 15 minutos. Às vezes era com muita força, e o Sr. Kimura bateu com a cabeça com força no tatami umas tres vezes. Isso é apenas um fato.

Ele explicou que quando uma pessoa tem pela primeira vez uma inspiração sobre o aiki, ainda leva muito tempo até que ele consiga executar aiki em todas as técnicas. Mas a diferença se apresenta na execução de todas as técnicas. “A diferença aparece depois, pois o caminho do progresso é muito diferente com aiki”, explica Kimura Sensei.

Atualmente, ele está no nível técnico mais alto do Sagawa-ha Daito-ryu, como 10º Gen Shihan. (Yukiyoshi Sagawa Sohan organizou as técnicas do Daito-ryu em 10 níveis, clamados de “Gen”, começando com o 1º Gen seguindo até o 10º Gen).

As técnicas

Kimura Sensei me encontrou em seu escritório na Universidade Tsukuba em 27 de fevereiro de 2001. Após assinar seu livro de registro (eimeiroku), ele me disse que o agarrasse pelos braços. Kimura Sensei me disse que eu deveria usar toda a minha habilidade para resistir, e que ele só começaria a técnica quando eu dissesse que estava pronto. Eu o segurei com muita firmeza, mas com cuidado para que eu pudesse reagir rapidamente a qualquer movimento desde o início (ou, pelo menos, era isso o que eu pensava). Quando eu disse “estou pronto” fui atirado instantaneamente para trás em um sofá que ele tinha no escritório. Eu repeti a tentativa várias vezes, e todas as vezes parecia que minha força ou minha resistência era completamente inútil. Eu cheguei a pensar que meu corpo inteiro estava se recusando a me obedecer. No momento, não pude resistir, nem pude usar nenhuma força. Parecia que toda a minha força tinha desaparecido, ou que eu tinha me esquecido completamente como usá-la. Não só meu ataque não tinha intensidade, mas também as técnicas funcionavam contra a energia que eu estava aplicando, sem a união que é típica do aikido. Isso ia contra todos os princípios que eu conhecia. O que era mais surpreendente, eu não conseguia me soltar dele para evitar o arremesso!

Depois disso, eu coloquei os braços na minha frente e fui arremessado no momento em que Kimura Sensei fez contato, mesmo com um leve toque. Eu pensei, “OK, como será com uma pegada relaxada e leve, ou mesmo com apenas um toque?” Kimura Sensei novamente me chamou, desta vez para tentar qualquer pegada suave, ou que eu tocasse sua mão, ou que apenas pegasse levemente na manga de sua roupa com meu dedo mínimo e o polegar. Eu tentei tudo isso, de várias formas diferentes, e em todas as vezes eu fui arremessado no sofá. Eu não senti nenhuma força sendo usada, mas o impacto de minhas quedas era grande, mesmo caindo sobre uma superfície macia e confortável. Eu senti como se estivesse sendo arremessado pelo vento. Kimura Sensei então me convidou a dar socos para demonstrar Aiki-Kempo. Assim que a mão dele que bloqueava ou fazia contato com meu braço, eu era jogado para trás. Aconteceu a mesma coisa quando ele me disse que bloqueasse seu soco, que era lento e fácil de ser recebido. No momento que meu braço bloqueava seu golpe, meus pés saíam do chão. Pela primeira vez eu senti que tinha encontrado algo misterioso em minha pesquisa sobre artes marciais. Imediatamente eu soube que estava diante de um verdadeiro mestre. Kimura Sensei ria e brincava todo o tempo (se divertindo muito em mostrar seu aiki), mas eu não conseguia rir. A razão disso é simples; este encontro tinha um significado muito especial para mim, e eu me sentia profundamente honrado por me encontrar com uma pessoa assim.

Além de mim, outros dois convidados especiais estavam lá naquele dia. Um era Laurent, um estudante Francês da University Tsukuba, o outro, um artista marcial japonês, Sr. Hasegawa (ele é professor do Katori Shinto ryu, 5º Dan de aikido, e tinha sido campeão da Prefeitura de Saitama de Kyokushin Karate). Lembro que ele tinha uma pegada muito forte, e sua base era realmente forte. Mas, nas mãos de Kimura Sensei, ele parecia uma criança. Ele não conseguia resistir a nenhuma técnica, e era arremessado no sofá como eu tinha sido. Então me pediram que o empurrasse no sofá (segurando-o pelos braços). Na verdade, foi muito difícil fazer com que ele se movesse para trás. Tudo o que eu podia fazer era realmente usar a força física. Então Kimura Sensei me mandou relaxar, e tocou a parte de trás de meus cotovelos. Para a nossa surpresa, meu parceiro imediatamente caiu para trás no sofá. Tudo isso aconteceu em segundos. De outra vez, Kimura Sensei tocou minha costas, fazendo que meus dois parceiros voassem (cada um deles segurava meus baços com ambas as mãos, resistindo com toda a força que tinham).

Depois disso, Kimura Sensei nos encorajou a atacá-lo juntos. E éramos arremessados como pedaços de papel, todos ao mesmo tempo. Às vezes éramos arremessados em direções diferentes, e em outras aplicações nós caíamos uns sobre os outros. Kimura Sensei pediu ao Sr. Hasegawa que o atacasse da maneira do kenjutsu. No momento do contato, o aiki seria aplicado através de qualquer objeto que estivesse sendo segurado. O Sr. Hasegawa realmente não acreditou nesta possibilidade. Ele mirou e atacou. Para sua incredulidade, realmente aconteceu, e ele desabou sobre o sofá. Isso foi uma demonstração de aiki-ken.

Após esta exaustiva experiência, recebemos uma explicação sobre o que aconteceu. Era a rara e mística habilidade do aiki. Kimura Sensei era capaz de aplicá-la em qualquer pessoa, em qualquer momento, e sob quaisquer condições. Aiki sempre funciona. Era mais do que eu esperava. Imediatamente eu me senti envergonhado por ser um tolo, acreditando que aprendendo apenas as técnicas (a “forma” externa, a “moldura” do aikijujutsu) uma pessoa poderia promover o Daito-ryu. O convidado japonês e eu fomos para o dojo com Kimura Sensei.

 

Sagawa Sensei aplicando “aiki” em Tatsuo Kimura Sensei

A verdadeira experiência de treinamento

Ao nos aproximarmos das portas fechadas do dojo, minha excitação aumentou. Não é todo mundo que pode estar presente em uma sessão de prática no Dojo de Kimura Sensei, mesmo em uma simples “aula experimental”. Após uma reverência de joelhos e uma saudação de “konbanwa” (“Boa noite” em Japonês), rapidamente colocamos nossos dogi brancos (e faixas brancas, é claro) e nos juntamos à turma. Todos os membros estavam ocupados treinando. Primeiro, Kimura Sensei me deu uma rápida explicação sobre umas poucas técnicas básicas (sua “aparência” ou “forma”).

As técnicas ensinadas em cada aula de “experiência” consistiam de seis técnicas na posição sentada (zadori), incluídas no curso de primeiro mês do Sagawa Dojo.

Assim que eu tentava começar uma técnica, encontrava uma grande resistência, com minhas mãos sendo seguradas com “punhos de aço” ou era simplesmente arremessado. Parecia que o mais leve movimento que eu fizesse (ou o menor contato) era suficiente para iniciar aiki. Por outro lado, quando eu tentava aplicar uma técnica contra Kimura Sensei, que não resistia, cada movimento meu gerava um contra-ataque e eu era arremessado. Na aula de Kimura Sensei todas as técnicas são aplicadas contra oponentes que resistem com firmeza. Recebi ordens de mudar de parceiros, começando com os mais graduados (faixas pretas), e gradualmente trabalhando com os demais até chegar nos faixas brancas, mas estes “novatos” não pareciam verdadeiramente “novatos” para mim. Eu fiquei muito surpreso com as habilidades de todos. Eles eram muito bons. Eu não consegui aplicar nenhuma técnica em ninguém naquele dojo, o que ocorreu foi o oposto, qualquer um deles podia facilmente aplicar suas técnicas em mim, me jogando para a esquerda e para a direita, para frente e para trás. É importante notar que todas as técnicas que me foram ensinadas eram feitas apenas em zadori. Estas são as técnicas do primeiro mês do Sagawa-ha Daito-ryu.

Eu tive a honra de ser o uke de Kimura Sensei algumas vezes. A cada vez eu era arremessado para cima e para longe, seriamente preocupado com a aterrissagem. Minhas habilidades com ukemi (rolamentos) se mostraram muito úteis, mas de forma limitada. Eu não conseguia sentir nenhuma força sendo usada pelo Sensei, mas podia sentir o impacto de cada técnica… no tatami! Compreendi que não existe jujutsu sem aiki no Daito-ryu. Sem imobilizações de juntas que causam dor, mas um desequilíbrio imediato do agressor, forçando seu corpo a cair. Na verdade, eu não caía simplesmente, geralmente meus pés saíam do chão, como se eu realmente estivesse sendo arremessado no ar. Eu nunca senti algo assim em qualquer outro dojo, de Daito-ryu ou de aikido.

A aula terminou em duas horas. Eu estava completamente confuso (assim como meu colega, o Sr. Hasegawa), e eu não podia me conformar com a idéia de não poder treinar novamente. Mas essa era a condição de Kimura Sensei, apenas uma aula de introdução!

Naquela noite não consegui dormir. No dia seguinte fiquei doente, incapaz de pensar. Minha mente estava distorcida. Eu consegui contatar Kimura Sensei, mas não poderia praticar mais. Entretanto, eu me decidi a manter o contato.

Uma benção

Mais de um mês se passou depois de minha primeira experiência com o Sagawa-ha Daito-ryu Aikibujutsu.  Decidi contatar Kimura Sensei novamente. Neste dia, Kimura Sensei permitiu que eu treinasse novamente.

Cada vez que eu ia a Tsukuba era um dia especial para mim. Cada prática era uma honra, e tudo o que eu desejava era treinar Sagawa-ha Daito-ryu Aiki Bujutsu ensinado por Tatsuo Kimura Sensei.

Quase todas as práticas consistiam em técnicas na posição sentada. Acho que as técnicas básicas (para o primeiro mês de prática no Sagawa Dojo) feitas na posição sentada são os pontos chaves para muitas técnicas de aiki no Daito-ryu. Só posso dizer que havia técnicas de imobilização de juntas (como eu disse antes, eu não sentia dor, mas meu corpo era arremessado), técnicas básicas de aiki, e algumas variações na posição de pé. Era diferente do aikido, em que a pessoa cai para o parceiro. Todas as técnicas de aiki de Sagawa-ha devem ser aplicadas contra parceiros que resistem 100% todo o tempo. Havia momentos em que as técnicas devem ser praticadas de forma relaxada, para que se domine a “forma”, mas a prática real é feita através da aplicação eficiente de cada técnica contra oponentes que resistem completamente. Não pode ser usada nenhuma força física! Obviamente, eu não conseguia fazer nenhuma delas com sucesso, hoje em dia, como experiência, eu as pratico diariamente na esperança de uma iluminação.

Então, o que é o aiki?

“Mesmo que você seja segurado (atacado) com força, faça a técnica com leveza!”

– Yukiyoshi Sagawa Sohan

O aiki é um poder da energia do ki? É Kiko / Qigong? – Não!

É um tipo de alucinação, hipnose? – Não!

O aiki pode ser obtido através da meditação? Não!

Ele se baseia nas leis da física? – Não!

Na anatomia humana? – Não!

É mágica? – Não!

Então o que é?

Bem, primeiro eu devo informar aos leitores que Sagawa Sensei desenvolveu uma forma diferente de aiki, mais avançada. Assim, esse aiki é diferente do que foi aprendido de Sokaku Takeda Sensei. Sei que encontrarei críticas, mas para mim parece ser o único aiki real, prático. Posso até ir mais além, declarando que se o único foco do Daito-ryu é o aiki, então só deve haver um Daito-ryu, como uma arte completa.

Só posso descrever que o que eu aprendi sobre aiki da prática em Sagawa-ha Daito-ryu. Aiki não é Kiko (Qigong em Chinês), não é hipnose nem mágica, e não tem muito a ver com o nosso modo lógico de pensar. A única forma é pensar nas várias formas ao aprender uma técnica eficiente de aiki. DEVE SER FEITO COM LEVEZA. Qualquer excesso de força física é inaceitável. Através do treinamento constante da “forma” contra vários graus de resistência, talvez seja possível que um dia o praticante adquira a maestria desta habilidade. Para mim, o aiki não é algo que possa ser encontrado em nosso mundo. Além disso, só Kimura Sensei possui esta habilidade única. Diz-se que ninguém além de Kimura Sensei atingiu um nível tão alto de compreensão do aiki, e ele realmente o pratica.

“Aiki é a habilidade de tirar do oponente todo o seu poder no instante do contato.”

– Yukiyoshi Sagawa Sohan

“O Aiki existe em uma dimensão completamente diferente.”

– Tatsuo Kimura, Jugen Shihan

Treinar muito todos os dias não trará os resultados desejados. O treinamento físico sem um desejo intenso será inútil, e vice versa, e desejo por si só não fará com que a pessoa se torne um mestre de aiki sem o treinamento sincero. E para finalizar este longo artigo, só posso dizer que eu estava muito cético quanto à parte mística de várias artes marciais antes de encontrar Kimura Sensei. A oportunidade que ele me deu mudou completamente minha forma de pensar. E mudou todo o meu conceito sobre o Daito-ryu.

Eu gostaria de demonstrar minha grande gratidão a Tatsuo Kimura Shihan por ter me dado uma oportunidade assim. Ao escrever este artigo, a ajuda de Kimura Shihan foi enorme. E também ao Sr. Stanley Pranin, porque sem seu Aikido Journal seria muito difícil dar este relato sobre o Sagawa-ha Daito-ryu.

Domo arigato gozaimashita.

 

Nota do prof. Wagner Bull

Cada pessoa percebe uma experiência de acordo com a sua própria anterior.Em minha viajem ao Japão, agora em Maio 2007 , tive a oportunidade de conhecer pessoalmente o Mestre Kimura, e a sorte dele permitir que eu treinasse em seu Dojo. Foi uma experiência muito interessante e a comprovação de muitas coisas que venho percebendo no meu treino do dia a dia e outras que ainda não sei bem como fazer, mas algo ficou claro: Os aikidoistas não podem se acomodar na forma de treinar que a maioria dos praticantes e professores estão fazendo atualmente em termos da arte ser eficiente como luta de defesa pessoal. È preciso se aprofundar nas raízes deste Caminho sob o ponto de vista técnico que é o Daito Ryu, falta base , conhecimento de certos princípios que parecem que se perderam na maioria das escolas de Aikido. Aikido desenvolveu-se maravilhosamente na sua proposta ética e filosófica, mas a parte técnica neste processo sofreu com isto. È preciso ir mais na fonte, buscar as razões pelas quais os movimentos são feitos. È o que já vínhamos fazendo no Instituto Takemussu e depois desta experiência que tive com Kimura sensei, pretendo intensificar ainda mais o treinamento neste sentido. Aikido é sim um caminho de iluminação espiritual, mas tem que estar alicerçado em uma arte marcial eficiente para realmente transformar o individuo e faze-lo sentir-se integrado com o universo, esta é a minha conclusão até aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s